LINGUAGENS E AS MEMÓRIAS-SÓCIO GENÉTICAS

image_pdfimage_print

Prof.Dr.HC João Bosco Botelho

            Um dos aspectos mais intrigantes e fascinantes é como ocorreu, no corpo, desde tempos imemoriais, o processo de adaptação que culminou no acervo, guarda e reprodução dos conhecimentos historicamente acumulado por meio das linguagens.

Na realidade, o maior obstáculo do pesquisador continua sendo estabelecer as correlações entre a forma e a função, no sistema nervoso central, em níveis macroscópico (órgão), microscópico (célula) e ultramicroscópico (molécula). Dito de outro modo, se o ser humano é capaz de falar e escrever se torna obrigatório existirem áreas anatômicas e funcionais, nos níveis acima mencionados, responsáveis pelas linguagens.

Os entraves aumentam na razão direta do avanço dos estudos na direção da menor estrutura.O desconhecimento fica mais denso a partir da molécula.

As transformações sofridas na forma do sistema nervoso central, há milhares de anos, e, consequentemente, o modo como o órgão se mantinha, em contato com os ossos do crânio estão também, com a atual capacidade de falar e de escrever.

Alguns antropólogos, como Calvin Wells, afirmam que as moldagens endocranianas dos Pithecanthropus (Homo erectus que viveu em torno de 300.000 anos) evidenciam as marcas das áreas identificadas como responsáveis pela linguagem falada. Nesse sentido, é razoável pensar que esse antepassado já possuísse algum tipo de fala.

Os atos de falar e de escrever estão unidos em complexa ponte, envolvendo a maior parte do sistema nervoso central com a vida de relação, principalmente certos segmentos do córtex cerebral responsáveis com a capacidade de imaginar e representar a ficção, isto é, a coisa não percebida na materialidade espacial.

Um dos principais alicerces da ponte entre o passado muito antigo, contido no cérebro primitivo, oriundo da filogenia comum, e o cérebro atual, resultante do processo evolutivo é a insubstituível polaridade entre a dor e o prazer. Fugir da dor e buscar o prazer continua sendo a mais forte das ordens genéticas da espécie humana. E mais, todos os animais  se organizam com o objetivo de evitar a dor de qualquer natureza e ativar, sempre que necessário, as fontes naturais produtoras de prazer. Entre as mais importantes estão a sexualidade e o alimentos, ambos acompanhados de incontáveis derivações simbólicas representações metafóricas.

Aceitar o prazer e recusar a dor alicerçou o projeto da vida humana no planeta. Todo o corpo foi adaptado a essa determinante sócio‑genética. Incontáveis terminações nervosas livres mantêm todas as estruturas corporais atentas à dor e ao prazer. Pode‑se afirmar, sem receio de estar cometendo um exagero, que a vida humana não teria sido possível, sem essa adaptação.

Esta entrada foi publicada em ÉTICA MÉDICA-BIOÉTICA. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta